capacidades

Sim. Somos seres dotados de grande capacidade intelectual de realizar proezas em nome da ciência, seja ela qual for que sigamos. Mas por vergonha ou preguiça, podamos nossas raízes de pensamentos e desacreditamos da nossa extrema possibilidade de acertar: 50%. Ora, 50% de acerto é uma margem bem grande e nos é fornecida, de graça e renovavelmente (não creio que exista esta palavra), todos os dias de nossa breve vida nesta jornada de peregrinação. Às vezes me pergunto se foi benéfica a situação de eu ter em mente que essa vida é extremamente vã e que o vale mesmo é que o vem depois dela. Confesso que muitas vezes me sinto como uma fanática muçulmana que acredita em um céu fantasioso demais até para o mais espiritual dos fanáticos. Mas retorno a sã consciência, ainda que por breves quinze minutos antes de dormir e recordo-me de todas as maravilhosas promessas que foram reservadas para mim (e você também) por toda a eternidade e começo a acreditar com mais força e paixão que as minhas capacidades podadas, tem que ser regadas para que frutifiquem e então a vidinha medíodre que levo, valha a pena para a posteridade. 

Realmente pare para pensar em quanto nos limitamos por medos de impossibilidades, quando na verdade, o Deus a quem dizemos crer, é o dono de todas as coisas, criador e melhor ainda: especialista em IMPOSSIBILIDADES. Não consegue? Não pode? Não acredita? Não existem essas condições com Deus. E eu, particularmente, o meu eu interior, nos limitamos demais em nos preocupar. Quando leio Mateus 6, sobre bastar cada dia o seu mau. Sobre não se preocupar com o dia de amanhã, comidas ou roupas. Me sinto mal em duvidar todos os dias do meu Deus. Porque este texto vem com tamanha fúria ao meu coração e me faz recordar de que quem prega a pressa e o desespero do ter e do aparecer é o mundo em que vivo, mas não o Deus que sirvo. Para ele, nada disso que me preocupo tanto é importante. E por alguns segundos, volto-me a muçulmana fanática, mas lembro-me que a minha história é real e comprovada. Lembro-me das minhas loucas teologias e debates e crises e constatações de que tudo isso é real. De que tudo isso aconteceu e acontece. Mas que por não querer prestar atenção devido à intensa preocupação com vaidades, eu me preocupo. 

Eu tenho capacidade para realizar aquilo que eu quiser realizar debaixo da vontade soberana de Deus. E Ele certamente não vai me podar, porque ele disse que se eu tivesse fé, diria a uma montanha para que ela se movesse e aconteceria. Que pequena fé para homens de tamanha capacidade. 

 

Avancemos!